Imprensa

B. Braun inaugura novo Centro Log�stico em Guaxindiba

Projeto Arquiteto Empreendedor

Prêmio Green Building 2014 - Marcas de Destaque

Arquitetura hospitalar: projetos e detalhes, revista AU Edição 247

X Grande Prêmio de Arquitetura Corporativa

Grandes Marcas Influenciam o Mercado

Os 100 mais influentes da saúde

ENTREVISTA ELETRÔNICA - Greenbuilding Brasil

ZANETTINI ARQUITETURA expõe seus projetos na GREEN BUILDING BRASIL Conferência Internacional e Expo 2013

Os projetos do escritório Zanettini já estão publicados na Galeria da A

Fundamentos da Arquitetura Contemporânea / Siegbert Zanettini

B. Braun investe R$ 346 milhões em nova fábrica

Entrevista com Siegbert Zanettini

Comitiva brasileira do mercado da construção civil sustentável ganha destaque mundial na Greenbuild Internacional Conference & Expo 2012

Centro de Pesquisas da Petrobras ganha novas instalações!

Arquitetos se reúnem para fazer casas para cachorros

III Greenbuilding Brasil Conferência Internacional & Expo 2012

Siegbert Zanettini projeta casinha de cachorro para a “Mais Amor aos Animais”!

ABCEM( Associação Brasileira de Construção Metálica)

Breve: Lançamento do aplicativo da Zanettini Arquitetura para Ipad!

V Congresso Brasileiro para o Desenvolvimento do Edifício Hospitalar.

Fórum Verde onde tem inovação tem a marca Cebrace

Fórum Verde integra exposição internacional na UnB

Zanettini vence prêmio Green Nation Fest com o projeto do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras

Fórum Verde integra exposição internacional na UnB

FAU abre exposição sobre Arquitetura Responsável

GreenBuilding Brasil 2012 Conferência Internacional & Expo

Workshop destacou o projeto do Hospital Mater Dei que utiliza avançados processos de construção na obra da Unidade Contorno em BH

Projeto Hospital Mater Dei Unidade Contorno da Zanettini Arquitetura na Revista Health Arq

Chegou ao fim o Concurso Cultural para estudantes e recém-formados da Zanettini Arquitetura!

Festival com entrada gratuita acontece de 31 de maio a 7 de junho no Rio

Projeto Aliah premia melhores ideias do concurso Um Hotel Sustentável Para Uma Copa Verde

Vem aí o maior evento de saúde da América Latina!

B. Braun inaugura novo Centro Logístico em Guaxindiba

Arquitetura Brasileira

Vencedores do concurso Um Hotel Sustentável Para Uma Copa Verde serão premiados em evento paralelo do GBC Brasil durante a Feicon Batimat

Arquitetura Hospitalar

Anunciados os vencedores do concurso

AsBEA lança dois novos livros para sua coleção:

Novo Centro de Convenções da Unicamp é projetado em aço por Zanettini

Construir de forma sustentável é o único caminho

O Brasil caminha para um desenvolvimento sustentável na construção civil?

Sem Planos na Área Política

Zanettini lança livro especial na nonaBia e é homenageado em Buenos Aires

Edição especial - A Obra em Aço de Zanettini

Zanettini Arquitetura recebe reconhecimento internacional por investimento em qualidade

Concurso do Projeto Aliah, “Um Hotel Sustentável para uma Copa Verde” irá selecionar modelos de empreendimentos hoteleiros criados por jovens arquitetos

Brasil é o 4º país com mais prédios sustentáveis

Zanettini Arquitetura vence em duas categorias do Prêmio Green Building Brasil 2011

Grandes Construções - Editorial - Um brasileiro dedicado à construção de um novo Brasil

Equipe Zanettini Arquitetura recebe visita do escritório Foster + Partners

Selo comemorativo celebra a inauguração do Fórum Verde no Distrito Federal

Fórum do Meio Ambiente e da Fazenda Pública será inaugurado no Distrito Federal - TJDFT

Instituto Internacional de Pesquisa e Responsabilidade Socioambiental Chico Mendes entrega o certificado de gestão sócio ambiental para Zanettini Arquitetura

Zanettini participa do programa "Pergunte ao Especialista"

Lançamento do livro e a abertura da exposição itinerante “A BOA ARQUITETURA DE UMA GERAÇÃO”, evento que reuniu alunos, professores e amigos arquitetos

Arquiteto Zanettini participa do evento de lançamento da segunda fase da campanha

Zanettini ganha prêmio Greening na Feicon e prêmio destaque no VII Grande Prêmio de Arquitetura Corporativa na 13ª Office Solution

Zanettini Arquitetura inaugura Centro de Pesquisas Schlumberger Brazil Research & Geosciences Center – BRGC na Ilha do Fundão, Rio de Janeiro

Arquitetura contemporânea e ecoeficiente de Zanettini é tema do livro “Arquiteturas em Contextos de Inovação”

Zanettini Arquitetura comemora a inauguração do projeto de ampliação do CENPES, da Petrobras

 
Zanettini, 50 anos de boa arquitetura

Zanettini, 50 anos de boa arquitetura


Entrevista: Siegbert ZanettiniRedação AECwebPrecursor das estruturas em aço, o arquiteto Siegbert Zanettini comemora 50 anos de trabalho, período em que produziu 1200 projetos, o equivalente a mais de 5 milhões de metros quadrados. Nesta entrevista ao AECweb, ele revela sua aguda inteligência e conhecimento ao falar sobre sistemas construtivos, arquitetura e mercado. Pesquisador e acadêmico, Zanettini assina uma das mais importantes obras contemporâneas, a do CENPES – Centro de Pesquisa da Petrobrás – que embarca as melhores tecnologias, sistemas e práticas sustentáveis. Para o arquiteto, a obra do CENPES é um marco na arquitetura brasileira.
AECweb – Como se define a arquitetura dos seus 50 anos de trabalho?
Zanettini - É, em resumo, a arquitetura do século 21, representada pelo equilíbrio entre o mundo racional e o mundo sensível, de um lado toda a ciência – o pensamento construído pelo homem ao longo dos tempos – e, de outro, o pensamento criador. Esse equilíbrio é fundamental para uma arquitetura de alto desempenho e qualidade. Em outras palavras: é a união da tecnologia e da criação do espaço.
AECweb – O seu interesse pelo sistema construtivo em aço é antigo?
Zanettini - Já em 1968, quando os trilhos de bonde estavam sendo retirados da cidade de São Paulo, eu fazia treliças com esse material para coberturas metálicas industriais. Não havia siderúrgicas produzindo no país e, mesmo não sendo o material mais adequado, eu fazia com o que tinha disponível. Era uma tecnologia que o mundo já vinha utilizando desde o início do século 20 e, aqui, nada era feito em aço. Eu entendia que o aço era um caminho a ser desenvolvido, assim como a madeira e o concreto.
AECweb – E como foi sua participação no desenvolvimento do sistema?
Zanettini - Fui, na verdade, um pesquisador isolado desse sistema no Brasil. Nesses quase 50 anos, a exemplo do que já se fazia no exterior, desenvolvi toda uma teoria reunida no livro ‘A Obra em Aço de Zanettini’, de 2007, referência para quem pensa e projeta em aço. Procuro mostrar que ao aço não pode ser conferida a robustez da pedra, utilizada para a construção dos templos gregos - pedra sobre pedra. O aço também não é madeira, que tem uma outra linguagem de sistema construtivo e nem é concreto, com sua plasticidade moldável.
AECweb – Quais as características de uma obra com estrutura metálica?
Zanettini - A estrutura em aço tem uma linguagem de produção industrializada, usa alta tecnologia, além de ser, entre todas, a tecnologia mais limpa – fundamental hoje diante das exigências da sustentabilidade e da alta eficiência, pois não deixa resíduos, sobras, sujeiras. Com aço, o canteiro não é mais um lugar de execução, mas de montagem, pois a produção dos elementos é transferida indústria que os fornece prontos e pintados. É uma obra que pressupõe muito planejamento e projeto detalhado, porque não dá para resolver no canteiro um perfil metálico: se o perfil tiver erro de 1 cm não servirá para a obra. Portanto, tem grande precisão e permite total programação dos componentes, como da caixilharia, dispensando a medição de vão
.AECweb – Para alguns construtores, o sistema em aço não está desenvolvido para moradias populares. Isso é correto?
Zanettini - A falta de conhecimento é muito séria na construção civil. Quem faz essa afirmação não tem a menor idéia do que se faz lá fora há mais de 100 anos. A Estação da Luz, em São Paulo, foi exportada pronta em 1896. Na arquitetura do mundo inteiro, não há nada mais significativo do que o aço. É uma solução tecnológica avançada, limpa, e que pressupõe os mais variados desenhos para aeroportos, galpões, arenas, entre outros espaços. Se pegarmos os projetos de estádios que estão propostos para a Copa de 2014, com exceção de um que é errôneo, todos são em aço. Para fazer em concreto seria preciso utilizar formas de madeira que, depois, se transformariam em lenha, o que é insustentável.
AECweb – Ou seja, é falta de informação?
Zanettini - Sim, falta de interesse ou de preparo dos profissionais das construtoras. As escolas não ensinam aço, tanto as de arquitetura como as de engenharia. Lecionei durante 40 anos na FAU, Poli e Mackenzie em cursos optativos sobre o assunto. Há 20 anos, não tinha a disciplina, nem conhecimento e, portanto, não tinha obra em aço. Os profissionais que se formaram na era do concreto são os concreteiros que trabalham com esse sistema. Não nego que o concreto teve uma evolução significativa e eu uso muito, porque não sou um ‘metaleiro’.
AECweb – Há situações específicas para cada tipo de sistema?
Zanettini - Se tenho um vão pequeno, posso usar o concreto sem problemas. Podem ser utilizados, ainda, sistemas mistos: usar o concreto a compressão e o aço a tração, flexão e torção. Quem entende de tecnologia, não despreza sistemas. Cada sistema tem sua lógica, sua forma de trabalhar para a condição arquitetônica e espacial mais correta. No mundo inteiro, é impensável fazer coberturas para grandes vãos em qualquer outro sistema que não seja o aço. Apenas quem desconhece o aço faz com outros sistemas. Além disso, há os interesses do lobby do cimento no Brasil que são muito fortes.
AECweb – Não há, portanto, interesse do mercado imobiliário em se atualizar?
Zanettini - Na verdade, nem é essa a questão. O mercado imobiliário não está preocupado nem com tecnologia, nem com arquitetura. A única meta é vender metros quadrados, sob o comando da especulação imobiliária – conduta que dispensa a melhoria do desempenho. As empresas fazem o que o mercado aceita, como o neoclássico, imposto há anos aos compradores como coisa nobre, influenciando uma ampla faixa de consumo. É obra pensada para o século 19, que cabe fazer em tijolo, argamassa, concreto, porque é obra pesada, de grandes volumes, porque está diretamente ligada forma artesanal de pensar do daquele século.
AECweb – Esse tipo de obra vai na contramão da industrialização?
Zanettini - Sim, porque hoje, cada vez mais, a evolução tecnológica é a da produção industrializada, com grande controle da qualidade feita na indústria, o que não é passível de ser feito no canteiro. Por exemplo, a micragem de pintura é precisa – se forem 100 micra de pintura para cada peça, ninguém muda, porque é controlada eletronicamente. Já no canteiro, depende do jogo do domingo, se o Corinthians perdeu, a micragem vai de zero a 100.

AECweb – E onde fica a boa arquitetura em meio a tudo isso?
Zanettini - Ao longo dos anos, no Brasil, se secundarizou muito a arquitetura e, talvez, seja ela a mais importante ação do homem na vida contemporânea. Não há nada mais importante do que uma cidade planejada, com um projeto de arquitetura compatível com o século. No entanto, o que se vê na construção civil é o uso de mão de obra barata - contingente que a indústria organizada não quer -, na qual as empresas não investem e de quem é tirado o máximo em nome do lucro. Tudo isso está aliado baixa formação de toda a cadeia produtiva da construção civil, do operário ao administrador da empresa que pensa e faz a obra. E não se muda isso de uma hora para outra. São anos de investimento na inteligência, na cultura, na educação.
AECweb – Essa crítica se refere ao mercado imobiliário apenas?
Zanettini - Exato. Já nos segmentos de edifícios comerciais, corporativos e institucionais a boa arquitetura está presente, assinada por vários escritórios de alto padrão, que utilizam a tecnologia mais avançada, com as áreas de componentes e mobiliário corporativo bem evoluídas. Tudo vem pronto da indústria, bem acabado, com o máximo de precisão e o mínimo de desperdício. E aí não depende do sistema construtivo: o sistema é bom quando é bem resolvido. E não tem sentido avaliar os sistemas pelo preço.
AECweb – Até porque o custo maior do edifício é o da operação...

Zanettini - Tem prédios que hoje estão durando, em média, quatro anos, quando deveriam durar 50 anos. A manutenção e operação chega a ser cinco vezes maior do que o do custo da construção ao longo dessa vida útil. Então é preciso pensar na obra duradoura, que, quando termina a execução, começa o compromisso. Isto se consegue com um bom projeto, porque não existem soluções boas ‘in loco’. Diante da alta complexidade das obras, as soluções têm que ser pensadas, planejadas, discutidas em quase todas as disciplinas do conhecimento.
AECweb – É o caso do seu projeto para o CENPES – Centro de Pesquisas da Petrobrás?
Zanettini - É um bom exemplo, pois reuniu 248 áreas de trabalho, com um contingente imenso de profissionais pensando e criando. Não se tratou da velha premissa que diz que o arquiteto pensa e o engenheiro constrói. O engenheiro podia criar, assim como o arquiteto construir. Houve uma grande união entre as áreas para a obtenção de um resultado de qualidade.
AECweb – Quais as principais lições que o CENPES traz?
Zanettini - Essa obra é um novo paradigma, uma lição de tecnologia. Teremos a arquitetura brasileira marcada pelo ‘antes e depois do CENPES’. São 48 itens de ecoeficiência. É o resultado de mais de 40 anos de pensamento voltado para a sustentabilidade – não é toa que fiz a Casa Limpa para a ECO 92. Não é uma coisa de moda, mas que vem de muitos anos de experiência e pesquisa, tentando ganhar em tempo, qualidade, economia de energia, reuso de água, consumo mínimo de materiais, racionalidade produtiva ao longo do tempo. Enfim, embarca tudo o que leva a concluir que esse é um edifício sustentável.
AECweb – Qual o futuro da arquitetura brasileira?
Zanettini - Para quem não conhece, a arquitetura está parada. Discordo. Acabo de fazer uma exposição, em outubro passado, intitulada ‘A boa arquitetura de uma geração’, que reuniu projetos de 18 arquitetos consagrados. Foi uma mostra de conceitos, belíssima, de alta qualidade, desse pessoal que trabalhou nos últimos 50 anos no país. Cada um de nós fez, no mínimo, mais de 500 obras - volume que no contexto da construção civil brasileira é pequeno diante das mais de 200 escolas de arquitetura existentes no país. Na verdade, estamos formando mão de obra barata para o mercado. O futuro das novas gerações é meio triste. Fiz essa exposição para mostrar que tem gente fazendo boa arquitetura, e não é somente o Niemayer quem faz arquitetura de nível internacional.
AECweb – A Copa 2014 e as Olimpíadas podem ser salto importante?
Zanettini - Poderiam ser oportunidades de obras fantásticas assinadas por arquitetos brasileiros e deixar um legado importante em estádios e infra-estrutura das cidades. Mas vamos deixar passar, porque vem vindo firmas do exterior com uma avidez brutal. É impressionante o número de empresas que procuram o meu escritório para apresentar soluções com modelos prontos. Estamos assistindo, impotentes, a essa avalanche que virá. Eles não vêm para compor com as empresas e escritórios brasileiros, respeitando as condições de cultura, clima, tradições. É o que está acontecendo com as arenas e que abocanhará os dois grandes eventos esportivos.

25 de Maio 2017
Assessoria de
comunicação e
imprensa

Tels: (11) 3849-0394 / 3849-2557 / 3849-9992
E-mail: imprensa@zanettini.com.br